Cap. I – Denominação, sede, âmbito e fins

A ASSOCIACAO HIPICA E PSICOMOTORA DE VISEU, é uma Instituicao Particular de Solidariedade Social, sem fins tucrativos, com sede na antiga Escola do 1.° Ciclo do Ensino Básica, VU de Saito, união de freguesias de São Cipriano e Vii. de Soito, 3510-896, Concelho e Distrito de Viseu.

1. A ASSOCIACAO HÍPICA E PSICOMOTORA DE VISEU, tem por objectivo e fins principais o propósito de promover o desenvolvimento fisico, emocional, social, cultural, desportivo e recreativo; a prevenção, a reabilitação, a participação, a inclusão social e o apoio a pessoa com deficiência e incapacidade; e de outras iniciativas de promoção do bem-estar e qualidade de vida das pessoas, nos seguintes domínios;

a) Apoio as pessoas com deficiência e incapacidade, de forma a potenciar as capacidades dos cidadãos com deficiência psicomotora;
b) Apoio a integração social e comunitária;
c) Acompanhamento na saúde, prevenção da doença e prestação de cuidados, prioritariamente no apoio a pessoas com demência;
d) Empreendedorismo e outras respostas e de serviços não incluídos nas alíneas precedentes, desde que enquadráveis no âmbito da economia social, isto é, desde que contribuam para a efetivação dos direitos sociais dos cidadãos e para a sustentabilidade da Associacao
2. Na medida em que a pratica o aconselhe e os meios disponíveis o permitam, a Associação poderá exercer, de modo secundário, outras actividades de fins não lucrativos, de caráter cultural, social, turístico e educativo
3. Para alem dos objectivos acima mencionados, a Associação desenvolve actividades, ações e projectos que possam contribuir para:
a) A educação, formação e inclusão, nomeadamente, das pessoas com necessidades especiais e de grupos socialmente desfavorecidos;
b) Apoiar o desenvolvimento educativo e formativo dos cidadãos portadores de deficiência, das minorias étnicas, dos reclusos, dos toxicodependentes e de todos os cidadãos com dificuldades de integração social;
C) incentivar o desenvolvimento de parcerias e a capacidade de ação das instituições e a sua aproximação aos cidadãos, estimulando a criatividade e a inovação nos sectores publico, privado e associativo
4. O seu âmbito de ação abrange prioritariamente a população do Distrito de Viseu, podendo vir a abranger outros Distritos a medida que se justificar

1. Para a realização dos fins e actividades principais, a Associação propõe-se a criar e a manter:
a) Equitação com fins terapêuticos e outras terapias assistidas par animais;
b) Centro de Actividades Ocupacionais, direccionado para demências;
c) Apoio Domiciliário, direccionado para demências;
d) Serviço de atendimento e encaminhamento social;
e) Atendimento medico e enfermagem
2. A Associação pode ainda desenvolver actividades de natureza instrumental relativamente aos seus fins não lucrativos, ainda que desenvolvidos par outras entidades por esta criadas, mesmo que em parceria, e cujos resultados económicos contribuam exclusivamente para o financiamento da concretização dos fins principais.
3. A Associação poderá ainda prosseguir outros fins compatíveis com o seu o social, em cooperação com outras instituições partilhando a utilização comum de serviços ou equipamentos para o desenvolvimento de ações de solidariedade social, de responsabilidade igualmente comum ou em regime de complementaridade.

1. A organização e funcionamento dos diversos sectores de actividade constarão de Regulamentos Internos aprovados pela Direção em conformidade com as normas técnicas emitidas pelos serviços oficiais competentes e sujeitos a homologação dos mesmos serviços
2. A Associação poderá celebrar acordos de cooperação com entidades oficiais e particulares, em ordem a receber o indispensável apoio técnico e financeiro para as suas atividades

1. Os serviços prestados pela Associação serão comparticipados pelos utentes e ou pelos familiares de acordo com as tabelas de comparticipação, tendo em conta as princípios e critérios definidos na lei e em protocolos de cooperação entre a Segurança Social e as entidades do sector social, como a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade
2. Os interesses e os direitos dos beneficiários preferem aos das próprias instituições, dos associados ou dos fundadores;
3. Os beneficiários devem ser respeitados na sua dignidade e na intimidade da vida privada e não podem sofrer discriminações fundadas em critérios ideológicos, politicos, confessionais ou raciais;
4. Não se consideram discriminações que desrespeitem o disposto no numero anterior as restrições de âmbito ação que correspondam a carências especificas de determinados grupos ou categorias de pessoas

Cap. II – Dos Associados

Podem ser associados pessoas singulares maiores de 18 anos e pessoas
colectivas

Havera duas categorias de associados:
1. Honorários ou Beneméritos – As pessoas ou entidades que, através de serviços ou donativos, dêem contribuição especialmente relevante para a realização dos fins da Associação, como tal reconhecida e proclamada pela Assembleia Geral
2. Efectivos – As pessoas que se proponham colaborar na realização dos fins da Associação obrigando-se ao pagamento da jóia e quota mensal, nos montantes fixados pela Assembleia Geral

Para ver o documento completo por favor aceda à versão PDF.
Para ler o Regulamento Espaço Montebelo-Hípico aceda ao documento PDF.
Para ler o Regulamento eleitoral aceda ao documento PDF.